SEM MEDO DE SER FELIZ

Sem medo de ser feliz

Sem medo de ser feliz, não seja seu próprio carrasco. Você é capaz e merecedor da felicidade. O caminho está dentro de você, vamos juntos trilha-lo. Libertar-se de julgar e controlar não tem contraindicações. Que mal poderia vir da simplicidade de não ter que ser outra pessoa e de não exigir que nossos amigos e nossa família sejam diferentes do que são? Precisamos apenas seguir nossa vocação, agir com naturalidade e liberdade sem nenhum status ou atitude especial.

Que necessidade temos de erguer como bandeira da nossa verdade o dinheiro, a educação, a religião ou a raça? Que necessidade temos de nos mantermos isolados, fixados em traumas de infância? Os traumas acumulados são como poeira sobre a pele.

Aqueles que nos deram as contribuições mais significativas e duradouras para sermos quem somos foram os que ousaram assumir seu lugar como iguais. O mundo olha fascinado para o brilho ofuscante do ego, mas somente os que caminharem ao nosso lado, com amor e igualdade, atingirão nossos corações e nos transformarão.

 Aceitando a vida como ela é sem medo de ser feliz

Sem medo – Pixabay

Não perca tempo julgando seus pais. Eles também tiveram pais. As pessoas discutem o que seus pais fizeram em tom indignado. Todos nós cometemos este equívoco, mas em algum momento temos de admitir que as únicas perguntas significativas a fazer sobre o passado são as seguintes: “Quando aceitarei o fato de que o que aconteceu, aconteceu?” e “Quando aceitarei a responsabilidade pelo ego que tenho?

Deixando a tristeza para trás

Liberdade

Uma excelente maneira de se desapegar dos conflitos é mergulhar a mente na serenidade. O problema não é a incapacidade de limparmos nossas mentes. Na verdade, nós as inundamos com muitas memórias e linhas de pensamentos. Podemos escolher o caminho do divertimento para limpar a mente em vez do caminho que a polui. O riso, a gargalhada que aproxima as pessoas, tem a capacidade de nos libertar instantaneamente da ansiedade, do desânimo e de todos os estados fragmentados. Muita gente pensa que só pode começar a rir se for surpreendida, mas o riso é na verdade, uma forma de desprendimento.

Praticando o desapego

Desapego – Pixabay

Um bom exemplo de desapego são as crianças que chegam ao mundo exercendo naturalmente a capacidade do desapego por meio do divertimento e do deleite. Elas sorriem trinta e cinco vezes mais que os adultos. Elas se divertem por antecipação e, por isso, conseguem evitar que pensamentos perturbadores se instalem em suas mentes. Instintivamente, elas passam de um tema perturbador para um tema prazeroso.

Sigamos os exemplos das crianças para driblar a tristeza, desviar do medo e enfim, sermos felizes.

Não Leve a vida tão a sério

ser feliz – Pixabay

Faça pequenas mudanças para se livrar de grandes problemas. Lembre-se que a adversidade é o tempero da vida, que chegamos a este mundo sozinhos, e enquanto estamos por aqui, é por nossa conta e risco.

O caminho é abrir mão de seus medos e suas vidas além dos limites do ego. Como se faz isto? Com os pequenos milagres da compreensão, do apoio, da paciência e da felicidade.

Fonte: Trechos do livro – Não Leve a Vida tão a sério (Hugh Prather)

 

Desejo caminhos evolutivos na sua vida

Click Ideal Equilíbrio

 

Compartilhe com seus amigos...Share on Facebook
Facebook
Share on Google+
Google+
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
silmara on Bloggersilmara on Facebooksilmara on Googlesilmara on Instagramsilmara on Youtube
silmara
Silmara Regina Carlos - Empreendedora, Educadora, Coach ISOR®, Treinamento e desenvolvimento de pessoas. Palestrante abordando os temas: Desenvolvimento Pessoal e Profissional, Qualidade de Vida e Equilíbrio entre a Vida Pessoal e Profissional. Especialista em Gestão de Pessoas, graduada em Pedagogia, Letras e Coach - Instituto HOLOS - Certificação ICF International Coach Federation.